O poste

  Nesta foto onde se encontram chaverim do 6º. Garin na Hachshará, pode-se notar no fundo um poste em forma de cruz. Porque ele está lá ? Segue a história: A rede elétrica da fazenda era muito simples, mas não chegava a todos os lugares. Então, eu com mais um chaver (o Buki, Bernardo Weintraub … Read more

TARAMTAMTAM

Quando chegamos em Bror Chail, em Junho de 1956, o país ainda estava sob o regime de AUSTERIDADE (TZENA). Era um regime instituido pelo Ministro Dov Yosef, de racionamento de mantimentos, devido às poucas capacidades produtivas do país, e fracas reservas monetárias para custear importação de alimentos, aliadas ao crescimento rápido da população nos primeiros … Read more

A METRALHADORA E OS “FEDAYUN”

Chegamos em Bror Chail em fim de Junho de 1956, no auge do verão israelense. A época era um período tenso da segurança nacional; grupos de infiltradores árabes, chamados “Fedayun”, provenientes da Faixa de Gaza rodavam por várias regiões do pais. Bror Chail era considerado Kibutz fronteiriço, situado a 7 kilômetros da Faixa de Gaza. … Read more

SEU YOSHIDA E OS MORANGOS

No Kibutz Hachshará Ein Dorot vivia uma família japonesa, numa moradia existente na entrada original do Kibutz, onde havia a placa “FAZENDA DO DROR “. A família se ocupava com a agricultura, e Seu Yoshida ensinava aos chaverim como fazer os cultivos. Ele trabalhava uma parte dos terrenos, que lhe foi cedido ao lado dos … Read more

FOI O SENHOR !!!

  Na “HAFLAGÁ DA LAPA “, em Maio de 1950, decidiu-se que os chaverim abandonariam os seus estudos superiores em prol da dedicação integral no     Movimento. Alem disso, houve  a orientação da profissionalização de quem já estava na faixa etária adequada, ou seja, chaverim estudariam profissão e/ou  iriam trabalhar como operários. Os Snifim começaram a … Read more

O QUEIJO

Isto deve ter se passado em algum Outono ou Primavera (1952 ou 1953) no Rio de Janeiro; porquê ? Porque chove menos e faz menos calor do que no Verão. Então,aí vai: Alguns chaverim de algumas kvutzot, uns 12-14, resolveram se juntar e sair para um Tiul Leili (Passeio Noturno) pelos arredores; decidiu-se que seria … Read more

O CORAL

Estávamos no ano de 1954. Israel tinha completado 6 anos. O ishuv, na sua maior parte, se identificava com Israel, com o Sionismo (teórico, não o realizador), contribuia nas campanhas, participava nos eventos (Festa de Bikurim do Keren Kayemet, Shoshana Damari no Teatro Municipal), e outros. Os Movimentos Juvenís floresciam – o Dror, Hashomer Hatzair, … Read more

As galinhas, o farelinho e as pombas

Em Dezembro de 1955, Sara e eu entramos na Hachshará, 3 semanas depois do nosso casamento. O primeiro grupo do sexto Garin já tinha feito Aliá em Outubro, e a Aliá do segundo grupo, incluindo nós 2, estava programada para Outubro próximo. Como eu era, na época, a única pessoa com Carta de Habilitação para … Read more

A ROLHA DA CACHAÇA

Início de 1953, verão, Machané de Maapilim na Fazenda Palacete, Petrópolis, Rio. Pelo programa, organizou-se uma saida para acampamento noturno no Sìtio São Jerônimo. Este sítio era uma fazendola, situada à beira da estrada Petrópolis – Mosela – Fazenda Inglesa. A estrada passava ao lado da colina onde era a Machané, e para chegar ao … Read more

ZÉ MANDUCA

Nunca soubemos o nome real dêle, para nós, nas Machanot do Rio, era sempre o Zé Manduca. Sempre afável, prestativo, e disposto a ajudar. O Manduca era o encarregado da manutenção da Fazenda Palacete, em Petrópolis, onde por vários anos realizavam-se as Machanot do Movimento, no verão e no inverno. Pela sua aparência, ele devia … Read more

O Dines quase que se foi …

As Machanot do Movimento eram sempre o ponto alto das atividades dos Snifim. Haviam as Machanot Kaitz (a partir de Janeiro) e as Machanot no meio do ano. As Machanot do Snif Rio se realizavam na Fazenda Palacete, nos arredores de Petrópolis. Várias vezes as Machanot eram nacionais, mas a maior parte delas eram só … Read more

Os “caveirinhas” e os “bacorinhos”

Os “caveirinhas” e os “bacorinhos” Não sei se alguem se lembra destas palavras. Elas eram mencionadas pelo motorita de taxi que nos levava da Estação Ferroviária de Petrópolis até a Machané na Fazenda Palacete. Eu participei de todas as Machanot em Petrópolis, desde a primeira, em início de 1948 até alguns meses em 1955, antes … Read more